Vereador cobra plano de ação da Semed para casos de arrombamentos em escolas

O vereador Olavo Santos (PHS), membro da Comissão de Educação da Câmara vem manifestando preocupação quanto a arrombamentos recentemente registrados em unidades educacionais da rede municipal. Nesse sentido, vereador apresentou requerimento a ser encaminhado à Secretaria Municipal de Educação (Semed) cobrando explicações sobre as medidas tomadas pela secretaria em relação às escolas arrombadas, principalmente sobre a necessária reposição dos equipamentos e materiais didáticos furtados visando o pleno funcionamento das unidades.

Olavo Santos informa que tem fiscalizado regularmente o funcionamento do contrato do serviço de monitoramento eletrônico das escolas municipais e dos centros municipais de educação infantil. De acordo com o vereador, a falta de equipamentos e o mau funcionamento do monitoramento de segurança eletrônica em algumas unidades educacionais favorecem os constantes arrombamentos.

Reprodução: Assessoria de Imprensa Cascavel

O vereador cita dois casos de escolas recentemente arrombadas, onde os prejuízos são significantes. A Escola Municipal Divanete Alves Brito da Silva, no bairro Periolo, é um dos casos. “Somente no primeiro semestre deste ano a escola Divanete foi arrombada três vezes, sendo duas ocorrências dentro de um mês. É grande o prejuízo daquela comunidade escolar, além de equipamentos eletrônicos e de informática, material didático também foi levado, causando tanto perdas no quesito financeiro quanto no desempenho das atividades escolares”, comenta Olavo.

Outro caso grave citado por Olavo Santos é o da Escola Municipal São Francisco de Assis, no Reassentamento São Francisco, que foi arrombada em maio deste ano. Durante a ação, que aconteceu num fim de semana, os criminosos levaram uma máquina de lavar roupas, uma máquina de lavar calçadas, um forno micro-ondas, um forno elétrico, utensílios de cozinha e alimentos. Os arrombadores também invadiram o laboratório de informática e levaram 31 netbooks, um notebook de uma professora, um HD externo, um projetor multimídia, 30 fones de ouvido, 10 mouses e uma TV de 32 polegadas.

MONITORAMENTO MUNICIPALIZADO
Há tempos que Olavo tem questionado a retirada dos Guardas Patrimoniais das escolas e Cmeis. Para ele, principalmente durante a noite e finais de semanas, quando têm acontecido os arrombamentos, a presença de um profissional do setor de segurança nas unidades, como aquelas que não são contempladas com o sistema de monitoramento eletrônico, é de “extrema valia”. Pensamento esse que também é compartilhado pelos demais membros da Comissão de Educação, que destacam ser mais eficaz e rentável a municipalização dos serviços de monitoramento.

Através do requerimento 315/2019 a Comissão de Educação questiona se há estudos para viabilizar que as guardas Patrimonial e Municipal sejam responsáveis pelo serviço de monitoramento das unidades educacionais. “Já que o Município está adquirindo todo o equipamento para a implantação dos sistemas de vigilância, entendemos que o correto seria que as guardas Patrimonial e Municipal realizassem o serviço de monitoramento, proporcionando de forma efetiva a segurança das nossas escolas e centros de educação infantil”, finaliza.

Assessoria de Imprensa/ Vereador Olavo Santos

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.