Um problemão chamado Cettrans

O prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, que hoje está em Curitiba em audiência com o governador Ratinho Junior, tem que administrar dois problemas ao mesmo tempo em relação a Cettrans. Primeiro a extinção da companhia e a transição para uma autarquia que leve ao fim a sangria de dinheiro público do Município. Em segundo a necessidade de manter todos os serviços da companhia operando com eficiência até a transição, que deve durar pelo menos seis meses. Cabe lembrar que Cettrans não é apenas fiscalização de trânsito, mas administração do aeroporto, fiscalização de vans escolares, táxis e outras atividades, como sinalização das vias públicas.

Tarifa do transporte sobe amanhã

A partir desta quinta-feira (4) entra em vigor a nova tarifa do transporte coletivo em Cascavel, que passará custar R$ 3,90. A tarifa continuará entre as mais baratas do Estado, se for levar em consideração que na Capital o custo é de R$ 4,50. Desde dezembro do ano passado em Londrina a tarifa do transporte é de R$ 4,25. Em Maringá para quem usa o Passe Fácil a tarifa é R$ 3,90, mas a passagem avulsa custa R$ 4,50. Em Foz do Iguaçu desde novembro a tarifa custa R$ 3,75. A passagem mais barata, mas que está sendo discutida judicialmente, é em Ponta Grossa onde a Justiça suspendeu o aumento que faria da tarifa R$ 3,70. Com isso, o valor da tarifa ainda está em R$ 3,20.

MP na mira de vereadores que extorquem assessores

O Ministério Público decidiu apertar o cerco, em todo o Brasil, contra vereadores que exigem devolução de parte dos salários de seus assessores, prática comum pelo país e conhecida como “rachadinha”. Depois de ser preso em flagrante, o vereador Adelar Neumann, voltou a participar das sessões em Marechal Cândido Rondon usando tornozeleira eletrônica. Ele foi solto após passar um período na prisão por ter sido flagrado recebendo parte do salário de um assessor. Ontem (2), o vereador Claudio Duarte, do PSL de Belo Horizonte, também foi preso e afastado das funções por ser adepto da “rachadinha”.

Perda de mandato e depoimento

Em Cascavel tivemos o caso do vereador Damasceno Junior que entrou para a história do Legislativo como o primeiro parlamentar a ser cassado por quebra de decoro parlamentar. Ele exigia devolução de parte dos salários de duas assessoras. No início da tarde de hoje (3), assessoras do vereador Roberto Parra (PMDB) prestaram depoimento no Gaeco em Cascavel. O MP investiga se o vereador também exige devolução de salários. Parra sempre negou a prática.

Da redação

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.