Rico mais rico, pobre mais pobre

Diego Krüger é jornalista

O que você vai ler aqui pode até causar um rombo em sua mente e tomara que isso aconteça para você deixar de ser morno. E antes que me julgue mal, não é papo de teologia da prosperidade, porque isso não cola frente aos evangélicos incontestáveis do nosso Senhor Jesus Cristo.

A parábola dos talentos: você já a leu com atenção? Essa história está lá em Matheus 25 do versículo 14 ao 30. Resumindo: havia um senhor que ao sair de viagem, deu alguns talentos (dinheiro) aos seus servos, sendo 5, 2 e 1 talento, respectivamente. Ao retornar, viu que aqueles que tinham 5 e 2 talentos, multiplicaram o valor, ao passo que aquele que tinha 1, enterrou com medo de perder.

As lições disso são valiosas pelo lado prático do mundo do empreendedorismo e administração – aliás, não há outro livro melhor para aprender de finanças do que a própria Bíblia. A primeira coisa que você percebe ao ler essa parábola dos talentos, é que esse senhor deu os pilas para seus empregados “conforme a capacidade de cada um”. Então, meu irmão, aquele lance de “Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos” é papo para boi dormir. Isso não está na Bíblia. O que está, é que aos capacitados, está a oportunidade de administrar aquilo que lhe é confiado. Ou você não lembra dos anos de preparação que José teve antes de assumir a governança do Egito? Então para de maluquice e concentra na Palavra, que é Viva e Eficaz.

Nessa passagem é claro: quem tem mais capacidade, tem mais condições de administrar. E agora mais uma polêmica: sabe aquele jargão: “O rico está cada vez mais rico, o pobre cada vez mais pobre”? É isso mesmo e está contido nesta passagem. É questão de capacidade, esse é o princípio. E por favor, não confunda humildade com falta de dinheiro. Aliás, para quem está pensando em outra passagem que fala: “não devemos servir a dois senhores”, Jesus fala isso lá em Matheus 6:24 no sentido de aonde está seu coração, não se é rico ou pobre financeiramente. Porque riquezas, meus irmãos, não é sobre dinheiro na conta, é sobre como você administra tudo o que Deus coloca em suas mãos.

Então, o que aprendemos com a parábola dos talentos é que, se você não estiver preparado, você não irá prosperar, ou pelo menos, vai demorar muito tempo, levando uma vida medíocre, para conquistar aquilo o que quer. E isso independe se você vai na igreja todo domingo ou se só vai à igreja quando tem casamento de um amigo. Isso depende do que você busca verdadeiramente, sendo melhor como pessoa e vivendo em princípios. Os princípios de Deus são claros como a luz linda de um dia de sol e a Lei da Semeadura está aí para comprovar cada palavra deste arrazoado acima.

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.