Pastor é preso por passar ‘óleo ungido’ nas partes íntimas de mulheres em igreja

Religioso passava “óleo ungido” nas partes íntimas das mulheres, afirmando que iria tirar “magia negra” de seus corpos

Um pastor identificado por Lourival Santos de Andrade, de 42 anos, foi preso nessa quarta-feira (18) por estuprar quatro mulheres, na qual duas são menores de idade.

Segundo nota da Polícia Civil de Mato Grosso, o caso aconteceu na cidade de Confresa, interior do Mato Grosso.

‘ÓLEO UNGIDO’

De acordo com relato das vítimas à Polícia Civil, o líder religioso passava “óleo ungido”nas partes íntimas das mulheres, afirmando que iria tirar “magia negra” de seus corpos.

BOLETIM DE OCORRÊNCIA

Ainda de acordo com informações, o pastor morava em Cuiabá e cometia os crimesquando ia à cidade de Confresa realizar cultos e encontros pastorais. O primeiro boletim de ocorrência contra o pastor foi feito em agosto de 2021.

A Polícia Civil do Mato Grosso informou que uma das vítimas foi violentada durante uma conferência na igreja, quando o pastor chamou a menor em um quarto fechado e acariciou as partes íntimas da adolescente.

Em outro momento, ele fez uma chamada de vídeo para a menor, em que aparecia manipulando e exibindo o órgão genital.

ORAÇÃO

A segunda vítima, de 17 anos, relatou que no mês de fevereiro deste ano foi até igreja evangélica falar com o pastor, pedindo para que ele fizesse uma oração.

A vítima contou também que foi levada até obanheiro da igreja, onde o suspeito pediu para que ela passasse um óleo na barriga.

Na sequência, o pastor pegou o produto e passou pelo corpo da menina, que relatou sentir tontura e, posteriormente, ter sido abusada.

INVESTIGAÇÃO

A investigação da Delegacia de Confresa identificou um padrão na conduta do suspeito.

Os abusos ocorriam durante os atendimentos particulares em seu gabinete, onde ele fazia uma oração com as vítimas e passava o óleo ungido nas partes íntimas delas, estuprando-as em seguida.

Foto; Reprodução Internet

(TV Jornal)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.