Paranhos assina Anteprojeto de Lei que extingue a Cettrans e cria a autarquia “Transitar”

Prefeito determinou a retirada do radar portátil do contrato de fiscalização eletrônica (Foto: Secom)

O prefeito Leonaldo Paranhos assinou no início da noite desta sexta-feira  (31), no gabinete, o Anteprojeto de Lei do Executivo Municipal que dispõe sobre a extinção e a liquidação da Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Trânsito de Cascavel), que será enviado para aprovação do Legislativo. O mesmo projeto também cria a “Transitar”, a nova Autarquia Municipal de Mobilidade, Trânsito e Cidadania, que traz um modelo inovador e mais humano de gerenciamento do trânsito em nossa cidade.

“É um ato que já deveria ter sido feito há muitos anos, pois a Cettrans funciona como empresa, num formato que traz muitos prejuízos para a população e aos cofres públicos, gerando muitas ações trabalhistas, demandando mais de R$ 2 milhões em impostos ao ano, uma folha de pagamento de R$ 900 mil mensais, além de gerenciar o trânsito de uma maneira que não é a que queremos. Embora tenhamos resultados positivos, desde que assumimos, como a redução de multas, queremos implantar um modelo de trânsito mais humanizado em nossa cidade”, justificou Paranhos, que assinou o anteprojeto na presença do vereador Misael Júnior, o qual “tem uma luta para que a gente também tire de circulação os radares móveis da cidade”.

No mesmo ato e para marcar o encerramento deste Maio Amarelo – que é um mês voltado a sensibilizar e conscientizar as pessoas envolvidas no trânsito para uma convivência mais harmoniosa nas vias, para o respeito às leis de trânsito e, consequentemente, menos mortes e acidentes -, Paranhos determinou a retirada do radar portátil do contrato de fiscalização eletrônica, uma vez que entende que “embora seja um equipamento homologado e reconhecido em todo o País, no nosso ponto de vista não é uma ferramenta educativa, mas sim, de punição. E o que nós queremos para a nossa cidade é um trânsito em que os condutores possam ter comunicação com os agentes e, para isso, precisamos criar um ambiente de responsabilidade. Este equipamento, até agora, só demonstrou trazer raiva e indignação nas pessoas”.

O vereador Misael Júnior aprovou a medida e disse que irá retirar o projeto de pauta, uma vez que a determinação do prefeito já vai além da proposta que tramita na Câmara. “Isso resolve um problema antigo da cidade, pois além dos condutores daqui, temos muitos visitantes, que muitas vezes caem em pegadinhas. É importante continuar fazendo o controle da velocidade com os radares fixos, e que todos saibam que há possibilidade de serem multados se não respeitarem o limite de velocidade, os pedestres, as crianças. Não queremos acidentes e fatalidades; queremos um trânsito correto e humanizado”.

Economia

No fim do ano passado a Cettrans prorrogou até 2020 o contrato com a empresa Sitran (Comércio e Indústria de Eletrônica Ltda), de Brasília, responsável pela fiscalização eletrônica. Hoje são 25 radares fixos e um portátil, a um custo mensal de cerca de R$ 220 mil.

Com o aditivo de supressão do radar portátil, o Município economizará pelo menos R$ 8,5 mil mensais com a devolução do equipamento à empresa.

“Hoje também determinamos que a Cettrans sinalize todas as vias onde estão instalados os radares fixos, com sinalização horizontal e vertical, orientando os condutores. Nossa intenção não é multar; é educar para um trânsito mais seguro para todos. Porém, precisamos da colaboração de todos para que isso, de fato, ocorra”, finalizou Paranhos.

(Secom)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.