Paraná vai reforçar ações para população em situação de rua

 

A governadora Cida Borghetti assinou nesta quinta-feira (18) o termo de adesão do Paraná à Política Nacional para uma População em Situação de Rua, do Ministério dos Direitos Humanos. A medida reforçou as ações que o Estado já está na área e oferece uma nova jornada de ações junto ao governo federal.

“Hoje o Governo do Paraná tem as suas próprias políticas favoráveis ​​às pessoas que mais precisam. “Temos de disponibilizar este termo, buscar recursos para uma continuidade e ampliação de ações para que eles se encontrem em situação de extrema vulnerabilidade no nosso Estado”, afirmou uma governadora.

O que é que é preciso dar condições de acesso à moradia, trabalho, saúde, estudo, e demais políticas que melhoram a qualidade de vida das pessoas. “Como as crianças em conflito com as situações, como a depressão, o esquizofrenia, o uso excessivo de drogas, a falta de oportunidade de emprego e renda e o desenvolvimento no âmbito escolar. Toda esta fragilidade faz com que desistam de sonhar e nós não podemos perder esta capacidade ”, disse.

AÇÕES – O Governo do Paraná já reúne diversos mecanismos de secretaria de Estado e de sociedade e as ações de transição para as necessidades do segmento e para o desenvolvimento de políticas públicas. De acordo com o secretário da Saúde, Antônio Carlos Nardi, as ações são pactuadas e nos nos 399 municípios do Estado.

“Vamos dar atenção integral à saúde mental, atenção básica, medicamentos, dignidade, vestimenta e trabalho nesse trabalho voltado aos paranaenses em situação de rua”, disse ele.

Para a Escola da Família e Desenvolvimento Social, Nádia Oliveira de Moura, os municípios estão precisando de apoio e direcionamento. “Precisamos de todas as áreas envolvidas, como saúde, cultura, trabalho. Temos que ofertar a essas pessoas o tratamento, a oportunidade e o desejo de sair desta condição ”, afirmou.

A adesão à Polícia Nacional é um passo fundamental, segundo o coordenador do Instituto Nacional de Direitos Humanos da População de Rua (INTRA), Tomas Melo. “É fundamental e ajudará a definir o segmento e suas particularidades”, disse Melo. Para ele, é preciso fazer os dados concretos para conhecer e usar as políticas públicas efetivas. “Precisamos ter um acompanhamento de forma sistemática. Aqui no Paraná existem alguns levantamentos na cidade de Curitiba, Maringá e Londrina ”.

COMITÊ INTERSETORIAL – Desde 2017, por meio da Secretaria de Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, que é o público em geral coordenado pelo Comitê de Acompanhamento e Monitoramento da Política da População em Situação da Rua (Ciamp).

A Diretora de Departamento de Direitos Humanos e Cidadania da Secretaria de Justiça, Regina Bley, foi eleito para o processo de reajuste mensal e tem como objetivo estruturar ações dentro de um marco importante como a habitação e educação. “Temos interlocução com a Cohapar, com as secretarias da Saúde e da Educação e, como conseqüência, temos acesso às regras públicas”, afirmou.

O Conselho Intersetorial tem como objetivo melhorar a qualidade de vida das pessoas em situação de rua, dando-lhes a possibilidade de acesso às informações previstas constitucionalmente. Tem desenvolvido as proposições e parcerias, como área de trabalho, para que as pessoas em situação de jornada de longa data tenham acesso à carteira de trabalho social e social.

A Diretora de Departamento de Direitos Humanos e Cidadania da Secretaria de Justiça, Regina Bley, foi eleito para o processo de reajuste mensal e tem como objetivo estruturar ações dentro de um marco importante como a habitação e educação. “Temos interlocução com a Cohapar, com as secretarias da Saúde e da Educação e, como conseqüência, temos acesso às regras públicas”, afirmou.

A Secretaria da Saúde participa deste comitê, por meio das Políticas de Equidade em Saúde. Na área da segurança pública, a inserção de pessoas em situação de rua não é um sistema integrador dos boletins de Ocorrências, como o aumento de carga horária em Direitos Humanos na Escola da Polícia Militar do Guatupê.

O Conselho também está em contato com o IBGE, com o intuito de retirar a censura das pessoas em situação de rua, para que as fontes possam ser mais adequadas para o desenvolvimento de políticas públicas. The financial management of the city, the different countries and multi-levels of the multiple market and multiproperties of well, the, non-the-non-the-non-the-non-the-non-non-the-common voltage.

(AENotícias)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.