Cascavel registra queda de 10% no número de mortes em vias públicas em 2018

Ações voltadas a motociclistas, pedestres, álcool e direção, trabalhando em grupos de projetos incentivam a um trânsito mais humanizado

O ano de 2018 encerrou com 46 mortes no trânsito de Cascavel, segundo estatística do Cotrans/PVT (Comitê Intersetorial de Prevenção e Controle de Acidente de Trânsito no Município de Cascavel-PR – Programa Vida no Trânsito) finalizada hoje (1). Uma redução de 10% em relação ao ano anterior, quando 51 pessoas morrem em vias públicas vítimas do excesso de velocidade, trânsito em local impróprio, falta de atenção, falta de habilitação, avanço de sinal ou parada obrigatória, desrespeito à sinalização e ausência do cinto de segurança.

“Atingimos a meta de reduzir óbitos em 10%, mas queremos chegar à marca zero, por isso continuaremos trabalhamos juntos em prol do mesmo objetivo”, destaca o major Amarildo Ribeiro, do 4º Grupamento de Bombeiros. Ele coordena o Cotrans, que é integrado por representantes da Cettrans, do 4º Grupamento de Bombeiros, da Polícia Militar, da Polícia Rodoviária Estadual, da Polícia Rodoviária Federal, da Secretaria Municipal de Saúde, da 10ª Regional de Saúde e da sociedade civil organizada e, com reuniões ordinárias mensais, avaliação as causas de acidentes ocorridos em toda a extensão do município de Cascavel (urbano, rural, rodovias e marginais). O objetivo é estudar as causar visando à prevenção de novos acidentes.

Seguindo orientação do PVT, o Cotrans foca em ações voltadas a motociclistas, pedestres, álcool e direção, trabalhando em grupos de projetos: Educação, Fiscalização, Infraestrutura e Complementares. “Durante a análise, identificamos a causa, após, estudamos formas dentro da educação, fiscalização e infraestrutura para melhorar comportamento e engenharia, a fim de evitar novos acidentes, e isso tem dado resultado. Por exemplo, se há falta de sinalização em uma via, solicitamos a intervenção da Cettrans; no caso de condutores sem habilitação serem o causador de acidentes ou vítimas, pedimos a intervenção da Cettrans e demais órgãos fiscalizadores”, complementa Amarildo.

De acordo com a coordenadora do departamento de Educação de Trânsito da Cettrans, Luciane de Moura, a Companhia intensificou nos últimos anos o trabalho educativo e preventivo com ações ao longo do ano, visando à mudança de comportamento dos motoristas e demais atores, para um trânsito mais humanizado.

 

Da redação

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.