Bolsonaro tem o direito de comemorar a ditadura militar, sim!

Por Luiz Carlos da Cruz

Liberdade de expressão é um dos pilares da democracia, mas em tempos de ódio explícito, de grupos de redes sociais, de um mundo fechado em torno do próprio umbigo e daquilo que satisfaz nosso ego, ter opinião divergente é sinônimo de inimizade, infelizmente.

Ontem, vi tantos ataques cruéis ao presidente Jair Bolsonaro por sua defesa explícita da ditadura militar. Qual é o problema? Podemos não concordar, mas a abertura política que trouxe de volta a democracia ao nosso país depois que a liberdade de expressão foi sufocada por mais de duas décadas, lhe dá esse direito. Sim, Bolsonaro e qualquer outra pessoa têm o direito de defender a ditadura militar. Só as pessoas com pensamentos ditatoriais pensariam ao contrário.

Assim como comemorar, Bolsonaro também tem o direito de dizer que o período entre 1964 e 1985 não se tratou de uma ditadura. A liberdade conquistada com sangue, suor e lágrimas lhe dá esse direito também. A liberdade não tem preço!

Infelizmente, com verdades absolutas estabelecidas na grande maioria das pessoas, é impossível discordar de ideias. Os pontos de vistas diferentes nos levam a formar nossa própria opinião, seja ela contrária, favorável ou neutra e isso é espetacular.

O problema é que o respeito foi deixado de lado e a violência verbal dos dedos que teclam com sangue fala mais alta. Às vezes é melhor se calar diante de “tantas verdades” incontestáveis que vemos nas redes sociais. Ainda sou adepto daquela velha frase atribuída a Voltaire, mas que há controvérsias na autoria: “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las”.

Luiz Carlos da Cruz é jornalista e editor do BOANOITE!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.